Recensão do livro de Reiner Tosstorff, "The Red International of Labour Unions (RILU) 1920-1937 (A Internacional Vermelha dos Sindicatos operários [RILU] 1920-1937)

, Haymarket Books, Chicago, Il., 2016. (918 páginas).
dimanche 4 novembre 2018
par  Eric Vilain
popularité : 27%

Recensão do livro de Reiner Tosstorff, The Red International of Labour Unions (RILU) 1920-1937 (A Internacional Vermelha dos Sindicatos operários [RILU] 1920-1937), Haymarket Books, Chicago, Il., 2016. (918 páginas).

Se o movimento libertário conhece pouco da Internacional Comunista, sabe ainda menos sobre a Internacional Vermelha dos Sindicatos, ou “Profintern”. Essas duas instâncias são apenas muito raramente mencionadas nos textos do movimento, o que é um erro grave. De fato, as organizações internacionais criadas pelos bolcheviques –- a Internacional Comunista no nível político e a Internacional Vermelha dos Sindicatos – desempenharam um papel tão decisivo na história do anarquismo e do sindicalismo revolucionário, a partir da década de 1920, que é impossível entender o destino destas duas correntes após a revolução russa sem se referir a esta última. Eu diria mesmo que o anarco-sindicalismo pode ser considerado como um efeito colateral da criação da Internacional Vermelha dos Sindicatos.

O livro de Reiner Tosstorff (traduzido do alemão para o inglês) conta uma história fascinante, assim como revela um mundo que o movimento libertário mal conhece e que os historiadores acadêmicos pouco mais conhecem. Os primeiros tendem a ignorar organizações “autoritárias” e tudo a respeito do movimento comunista ; Quanto aos historiadores acadêmicos, a Internacional Vermelha dos Sindicatos foi relegada por eles à sombra da Internacional Comunista : a história do movimento operário é vista apenas através da história dos partidos políticos.

Contribuições haviam sido publicadas sobre a Internacional dos Sindicatos Vermelhos desde a década de 1960, mas ainda havia muitas “lacunas”. Após a queda da Cortina de Ferro, as oportunidades foram abertas com acesso mais fácil aos arquivos. O historiador alemão Reiner Tosstorff publicou em alemão em 2004, em inglês em 2016 o livro que permanecerá por muito tempo como obra de referência. Traduzido para o inglês sob o título de The Red International of Labour Unions (RILU) 1920-1937, ele apresenta em um único volume de 900 páginas o contexto histórico, a gênese, os debates e o final desta organização cujo balanço era, segundo o autor, decepcionante e a existência, em última análise, curta.

A precisão de seu trabalho é, de certo modo, a continuação (e provavelmente) a culminação de trabalhos anteriores, como os de Wayne Thorpe, Marcel van der Linden, Robert Wohl, Frederick Kaplan, Bruno Groppo e muitos outros.
 [1], Tosstorff mostra que a RILU foi formada na base de uma junção entre o bolchevismo e o sindicalismo revolucionário, mas que os militantes sindicalistas revolucionários estavam ligados a tradições que acabaram por confrontar as práticas dos bolcheviques. Numa fase inicial, a influência dos comunistas foi capaz de se desenvolver graças a essa contribuição internacional das forças ativas : o autor nos fornece um relato detalhado do desenvolvimento das organizações sindicais nos países em questão, ele também nos expõe a história dos movimentos comunistas e sindicalistas revolucionários na Europa, bem como nas Américas.

De acordo com Reiner Tosstorff, a Internacional dos sindicatos vermelhos, que era “a expressão organizada no nível internacional das atividades sindicais comunistas”, foi tratada de uma maneira superficial e negligente pela historiografia recente. Tosstorff nos diz na introdução que, embora afirmasse desempenhar um papel independente a nível internacional, a Internacional dos Sindicatos Vermelhos quase sempre aparece como um efeito colateral da história da Internacional Comunista que reuniu os partidos comunistas. Para alguns, a Internacional dos Sindicatos Vermelhos “nunca será mais do que uma nota de rodapé na história do movimento operário – nunca representou muito” (Geoffrey Swain). Para outros, foi “na década de 1920, de longe, a mais poderosa e importante das organizações auxiliares que gravitaram em torno do Comintern. Foi, de fato, a única que podia reivindicar alguma independência, e era mais do que um mero órgão subsidiário” ( E.H. Carr).

Estas duas visões extremas não podem ser retidas. Na minha opinião ; elas refletem, muito mais os preconceitos ideológicos de seus autores do que uma realidade histórica. Longe de ser uma “nota de rodapé”, a Internacional dos Sindicatos Vermelhos foi inquestionavelmente uma realidade potencial que não foi cumprida. Quanto à independência que poderia reivindicar, pode-se dizer que foi uma independência potencial que foi quebrada desde o início.

Segundo Tosstorff, foi o confronto entre sindicalistas revolucionários e bolcheviques que deu o primeiro impulso à fundação da Internacional sindical, porque tal organização não fazia parte da estrutura conceitual dos bolcheviques [2]. Gostaria de acrescentar que a total ignorância das questões sindicais pelos bolcheviques é demonstrada pelo facto de que, para assumir a presidência da RILU, tiveram de recorrer a Losovski, um activista que tinha uma relação bastante tumultuada com o partido (excluído, readmitido e bastante heterodoxo) : ele foi um dos poucos ativistas proeminentes que tiveram alguma experiência sindical, adquirida na CGT francesa [3]

Mas este confronto foi apenas o ponto de partida da Internacional sindical. Tosstorff combina o estudo da relação entre sindicalistas revolucionários e comunistas com a questão geral da influência comunista dentro do movimento sindical internacional. “Por essa razão”, ele escreve, “tem sido impossível evitar discutir a questão das outras organizações sindicais internacionais e, acima de tudo, a Federação Internacional de Sindicatos (International Federation of Trade Unions, abreviada como IFTU e conhecida como Internacional de Amsterdã porque sua sede era naquela cidade”).

Potencialmente, já temos aí uma das principais contradições que aparecerão rapidamente : enquanto a Internacional vermelha dos sindicatos foi fundada com militantes que se opunham radicalmente à Internacional de Amsterdã, a estratégia soviética de “Frente Unida” [4] em logo passou a considerar essencial uma reaproximação com as organizações reformistas e, como tal, a Internacional vermelha tornou-se um obstáculo a esta estratégia. Em outras palavras, a Internacional vermelha dos Sindicatos foi fundada, ao mesmo tempo em que, foi implementada a estratégia da Frente Unida, para a qual ela acabou por se tornar um obstáculo ! Mas Tosstorff mostra que “as iniciativas para dissolvê-lo encontraram uma resistência feroz por parte do aparelho da Internacional vermelha, por razões de autopreservação burocrática, que por assim dizer, foram lideradas pelo secretário geral da organização, Alexander Losovski.”

Acho que podemos considerar como “definitivo”, por muito tempo, e em qualquer caso, o trabalho de Reiner Tosstorff sobre a Internacional Vermelha dos Sindicatos.

Naturalmente, o autor fez um trabalho acadêmico – seu livro é na verdade uma dissertação doutoral – e, obviamente, não podemos culpá-lo por não ser um anarquista ; não podemos culpá-lo por não abordar certas questões com a mesma abordagem de um historiador da cultura libertária.
Obviamente, não se trata de reescrever uma história “anarquista” da Internacional Vermelha dos Sindicatos, porque isso equivaleria a cair na ideologia.

Seria mais simplesmente desejável desenvolver em maior profundidade certos aspectos da história da classe trabalhadora internacional da época, como as complexas razões para a recusa da CGT francesa de participar do Congresso Sindical Internacional de 1913, as circunstâncias mais específicas que cercam a fundação da AIT de Berlim e as apostas desta fundação, as profundas divergências já antigas que dividiram o movimento sindicalista revolucionário, etc. Todas essas questões são de fato abordadas no livro de Tosstorff, mas admito que o leitor libertário permanece insatisfeito e um pouco frustrado.

Não se deve ver tais observações como uma crítica demolidora ao trabalho de Tosstorff, mas como um convite para continuar o trabalho, como um incentivo para que os libertários façam sua parte do trabalho.

Acho que seria de grande interesse estudar em detalhes a estratégia implementada pela Internacional Comunista e pela International Sindical Vermelha, para combater o sindicalismo revolucionário e assumir o controle das organizações operárias na América Latina, especialmente no Brasil. Estudar sem concessões os meios pelos quais fomos espancados pode ser o primeiro passo para implementar a reconquista.

René Berthier
1º de novembro de 2018

PS. – O leitor que conseguir ler francês encontrará uma conta muito mais detalhada consultando o site monde-nouveau.net : http://monde-nouveau.net/spip.php?article698


[1• Marcel van der Linden - Wayne Thorpe, sindicalismo revolucionário. Uma perspectiva internacional, Aldershot 1990 ;
• Frederick Kaplan, Ideologia Bolchevique,
• Wayne Thorpe, os próprios trabalhadores. Sindicalismo Revolucionário e Trabalho Internacional, 1913-1923, Dordrecht. 1989 ;
• Robert Wohl, o comunismo francês na tomada de decisões, 1914-1924, Stanford 1966.
• Bruno Groppo, “A Création du Conseil international des syndicats” (Moscou, julho de 1920), Communisme, revue d’études pluridisciplinaires, 1, 1982.

[2Ver : Reiner Tosstorff, “Syndicalist Encounter with Bolshevism” (O Encontro Sindicalista revolucionario com o Bolchevismo”, Anarchist Studies, vol. 17, Issue 2, July 2009, Pp. 12-28.)

[3Lozovski : Os sindicatos e a revolução (1922), discursa no congrès da CGTU à Saint-Etienne, em junho de 1922. http: //monde-nouveau.net/spip.php ? Article353).

[4(Cf. René Berthier, “Réflexions sur l’Internationale communiste et la stratégie du ‘Front unique’”, http: //monde-nouveau.net/spip.php ? Article459)